quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Misano de amarelo e azul

| Carolina Neto

O grande prémio de San Marino, em Itália, realizou-se, no passado domingo, num circuito bastante especial para os italianos e para os amantes das duas rodas. As bancadas estavam cheias. 50.000 Apaixonados de bandeiras na mão prontos para apoiarem os seus pilotos de eleição. Uns de amarelo e azul, outros de vermelho, outros de laranja. Tudo dependia do piloto que defendiam e pelo qual bate o seu coração.



Era o regresso de “Vale”, como é conhecido, a terras italianas, num circuito que tem o nome de um dos seus melhores amigos dentro e fora do asfalto. Tinha tudo para ser um fim-de-semana de festa. E foi-o.

O Circuito Marco Simoncelli vestiu-se de amarelo e azul para receber os pilotos da classe rainha do motociclismo. Num grande-prémio onde Marc Marquez e Jorge Lorenzo eram, ao início, os favoritos à vitória: um deles está a realizar uma  época sem erros, o outro venceu neste circuito nos últimos três anos. Mas a verdade é que Misano é especial, e os favoritismos não se confirmaram.

Rossi estava em casa. E isso só poderia ser um factor de motivação. É claro que a vitória em Misano, a 107ª da sua carreira, não se deve, apenas, ao factor emocional de estar a correr diante do seu público. A mecânica, a escolha dos pneus, a capacidade de concentração, a capacidade de aproveitar um erro do adversário foram, em conjunto com o apoio vindo das bancadas, os elementos chave para o regresso ás vitórias de «Il Dottore».

Já os seus adversários mais directos como Jorge Lorenzo e Marc Marquez não foram capazes de vencer o Rei de Misano. Os dois espanhóis cometeram erros que lhes custaram a vitória. Jorge Lorenzo falhou na escolha de pneus, e Marc Marquez cometeu o primeiro erro da temporada ao cair. Ao longo das 28 voltas, tudo se foi construindo para que Valentino Rossi subisse ao lugar mais alto do pódio.

Mas a verdade é que Valentino Rossi jogou todos os seus trunfos nesta corrida. Arriscou mais do que era pensável e o próprio sabia que isso lhe poderia custar a vitória. Só que estando a correr diante do seu público, qual será o piloto que não arrisca mais do que a moto poderia permitir? Quem não quer fazer boa figura, e dar uma alegria à sua gente? Valentino Rossi é o homem que apaixona multidões, e em Misano, ele fez o que tinha de fazer: arriscar e conquistar.

A bandeira de xadrez foi mostrada. Rossi passou a linha de meta em primeiro lugar, sem qualquer oposição por parte dos seus adversários e levou ao delírio a multidão que se deslocou até Misano. O chamado paddock encheu-se de pessoas para assistirem à cerimónia, onde o veterano se sentiu como o Papa.

As duas rodas seguem, daqui a duas semanas, para a Motorland de Aragón, em Espanha. Aí, haverá novas histórias e mais emoção.

Maribor: a armada "violeta" quer surpreender no regresso à Europa dos milhões

| Francisco Sousa

14 de Setembro de 1999. No velhinho Estádio Lobanovsky de Kiev, o Maribor, modesta equipa proveniente do campeonato esloveno, fazia a sua estreia na fase de grupos da Liga dos Campeões, depois de ter surpreendido a Europa ao afastar os franceses do Lyon na 3ª pré-eliminatória (3-0 no total das duas mãos). Foi, então, na capital ucraniana, que os eslovenos escreveram mais uma bonita página na sua história, ao vencerem o todo-poderoso Dinamo por 0-1, com um golo de Ante Simundza, avançado destro, corpulento e trabalhador. O Maribor, porém, acabaria essa fase de grupos na última posição, tendo somado apenas mais um ponto, na deslocação à BayArena de Leverkusen.



15 anos passaram e o Maribor, depois de várias tentativas, finalmente, conseguiu o regresso ao convívio com os "grandes". E não é que o herói daquela noite em Kiev volta a ser protagonista? É verdade, década e meia depois, Simundza foi o técnico responsável pelo heróico apuramento para a maior (e melhor) competição de clubes do planeta. Em Glasgow, perante o histórico Celtic, os campeões da Eslovénia puxaram dos galões e conseguiram rubricar uma vitória notável. Quis o destino que o regresso dos violetas a esta competição os colocasse, de novo, no caminho de uma equipa verde-e-branca, no caso o Sporting. Enquanto que para o Maribor este será o sétimo jogo da temporada na Champions, para os leões será um regresso às lides europeias. Apesar de tudo, é previsível que a equipa portuguesa até venha a assumir o jogo, estratégia que até poderá ter o consentimento dos eslovenos, mais interessados em pontuar do que em brilhar, neste caso...

Formatada para jogar entre um 4x4x2 e um 4x2x3x1, a equipa do Maribor vai alternando de esquema táctico, consoante os jogos e os momentos destes mesmos. Em fase defensiva, costuma organizar-se, geralmente, em 4x4x2. Quando assim é, a dupla de avançados fica adiantada, pressionando sem grande eficácia na frente, enquanto que as linhas defensiva e de meio-campo recuam um pouco mais. Porém, se quiser assumir o jogo, o Maribor faz subir um pouco mais o bloco, sendo que aí se soltam habitualmente 4 elementos: o trinco Filipovic (principal distribuidor de jogo numa primeira fase de construção) e os três homens do meio-campo ofensivo/ataque. Em Glasgow, contra o Celtic, a equipa assumiu a posse e jogou com muito atrevimento no meio-campo contrário, fazendo adiantar os alas (Vrsic e Ibrahimi) e usando bem a mobilidade e largura dos possantes Mendy e Tavares na frente do ataque. Já nos jogos caseiros (Maccabi e Celtic, por exemplo), o Maribor partiu de uma base em 4x2x3x1, apresentando um duplo-pivote mais conservador (Dervisevic-Filipovic) mas com uma segunda linha de autênticas setas (Bohar-Ibraimi-Vrsic) e só com uma referência na frente do ataque.

No fundo, é notória a tendência desta equipa do Maribor em variar entre estes dois registos. Ofensivamente, a equipa mostra uma tendência a explorar os espaços interiores, dado que tanto Vrsic como Bohar (ou até Ibraimi) gostam de fazer a diagonal em direcção à área. Apesar de tudo, a profundidade pode ser encontrada em algumas subidas destes alas e, sobretudo, na projecção que o lateral-esquerdo Viler dá em termos ofensivos. Já a defender, o Maribor exibe algumas dificuldades na protecção do espaço nas costas dos laterais (sobretudo Stojanovic) e a falta de flexibilidade e velocidade dos centrais (são rijos e defendem relativamente bem na área, apesar de tudo), algo inaptos para fazer as dobras. Nos momentos em que a equipa joga mais recuada, é necessária solidariedade, entreajuda e consistência/solidez táctica, algo que nem sempre acontece, porém...

Outro apontamento vai para as bolas paradas. Nas ofensivas, o Maribor costuma atacar, habitualmente, o primeiro poste, podendo depois haver a sequência na zona central ou no segundo poste. Há, de facto, jogadores com capacidade para criar perigo no jogo aéreo (Suler, Mendy ou Filipovic, por exemplo). Porém, nas bolas paradas defensivas, são notórias os problemas do campeão esloveno em defender à zona, algo que pode ser efectivamente explorado pelos melhores cabeceadores da equipa sportinguista.

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

O Guia da Liga dos Campeões

| João Gonçalves

Vai começar a melhor prova de clubes do mundo. São trinta e duas equipas a sonhar com grandes feitos europeus e a lutar para continuarem na prova em 2015 após o fecho da fase de grupos.



Antes da Champions League, a principal prova da UEFA era a Taça dos Clubes Campeões Europeus jogada em formato de eliminatórias directas até à final em cidade previamente indicada e onde os finalistas não podiam usar publicidade nas camisolas, imagine-se!
Havia um sistema de cabeças de série para evitar o confronto precoce dos mais cotados mas era possível vermos algumas surpresas. Equipas lendárias conseguiram vencer a prova, como o Nottingham Forest de Brian Clough, o Hamburgo de Ernst Happel, o PSV de Guus Hiddink, o Marselha de Raymond Goethals, o Aston Villa de Tony Barton, entre muitos outros. Mas também houve grandes surpresas em inesperadas caminhadas até à final, Steaua de Bucareste, Malmö, Club Brugge, Sampdoria, Saint-Étienne, Leeds United, Panathinaikos, tudo clubes que dificilmente voltarão a estar em tão alto nível.

Isto para dizer que a prova foi crescendo e a UEFA transformou a competição numa espécie de campeonato europeu com protecção total aos clubes dos países mais poderosos. Banalizaram-se os jogos entre gigantes europeus com uma fase de grupos que é uma autêntica orgia de futebol entre Setembro e Dezembro onde só por milagre os mais fortes não seguem em frente.
Uma surpresa pode acontecer em duas noites más de um favorito, como sempre aconteceu até este século em eliminatórias directas mas poucos clubes de topo têm seis noites más que os ponham fora de prova neste modelo de campeonato.
Mesmo assim têm acontecido surpresas que empolgam a Europa do futebol, recordemos os casos do APOEL de Chipre ou do Málaga de Espanha, por exemplo.

Olhando para os grupos sorteados salta à vista que só o A é composto por campeões nacionais, passou a ser normal ver clubes que não conquistam o título do seu país a lutar pelo título maior europeu. O Liverpool já não vence em Inglaterra há mais de duas décadas mas festejou mais um título europeu em 2005. E este ano está de regresso à elite europeia.
Em sentido contrário, a Europa esta época não passará por Old Traford nem por Milão, Manchester United falha as Champions pela primeira vez em 18 anos e a dupla Inter / AC Milan também ficará no sofá a ver jogar.

Como já vem sendo hábito, cada grupo apresenta dois fortes candidatos a seguir para a fase decisiva da prova e doisoutsiders, havendo algumas excepções quando a sorte dita grupos mais equilibrados com todas as equipas a lutarem pelo apuramento.

O objectivo da UEFA está cumprido, a Champions League é uma fonte de receitas incrível e proporciona grandes jogos duas vezes por semana.
Este ano Portugal tem três representantes que lutarão para passar à fase das eliminatórias ou então para um lugar na Liga Europa que é o mal menor no fim das contas no fecho de cada grupo.

Zenit: uma imponente barreira vinda do frio mas com um toque do sangue latino

| Francisco Sousa

Autor de um início de temporada pujante e afirmativo, o Zenit de André Villas-Boas chega ao Estádio da Luz claramente disposto a complicar a vida aos actuais campeões nacionais. Líder destacado do campeonato russo após sete jornadas, a formação de São Petersburgo procura, além do regresso aos títulos a nível local, realizar uma boa campanha europeia, pese embora esteja colocado naquele que é considerado, em teoria, o grupo mais equilibrado e competitivo desta Liga dos Campeões. As expectativas para um dos clubes com maior orçamento desta competição são elevadas e o técnico luso sabe bem que a administração do Zenit não admite insucessos numa temporada que se quer de festa...



Depois de uma derrota (injusta, diga-se) a abrir a época oficial, no Chipre, frente ao AEL Limassol (1-0), o Zenit partiu para uma série avassaladora de dez triunfos consecutivos. A base do sucesso tem assentado no estilo de jogo posto em prática por André Villas-Boas esta temporada e que visa que a equipa possa dominar mais os jogos, embora aproveitando de igual maneira a velocidade dos seus melhores atacantes nas transições. No fundo, este Zenit representa uma mistura de características diferentes, mas que para já vai resultando bastante bem. Tacticamente formatada para jogar entre um 4x3x3 com os extremos a tenderem a fazer movimentos interiores e um 4x2x3x1 um pouco mais aberto, a equipa de São Petersburgo ataca com critério e ordem quando tem bola, usando para isso a inteligência de jogadores como Fayzulin (castigado para este encontro), Witsel ou Shatov com bola e a técnica em progressão de elementos como Hulk ou Danny. Aliás, estes dois homens revelam-se igualmente argutos a explorar situações de contra-ofensiva, visto que aliam velocidade e técnica a uma notável capacidade de remate e boa visão de jogo.

Movendo-se bem entre esses dois registos, o Zenit apresenta-se agora também um pouco mais consistente e organizado na maneira como defende. Em várias situações, organiza-se quase numa espécie de 4x4x2 com Hulk junto a Rondón numa primeira linha e com Shatov e Danny praticamente na mesma linha do duplo-pivote do meio-campo. Vai alternando entre momentos de uma pressão mais intensa e outras situações de organização defensiva mais recuada, sobretudo contra equipas que possuam criativos ao meio e gostem de assumir a posse de bola (por exemplo, o último jogo frente ao Dinamo de Moscovo). Quando recuperam a bola ou procuram sair de forma organizada, a tendência é fazê-lo pelas laterais, com o aparecimento constante de apoios interiores, extremamente úteis para ajudar a desequilibrar as estruturas adversárias. No fundo, esta é uma equipa que gosta de controlar os jogos, com e sem bola, e cuja proposta pode ser adaptável também às diferentes características dos adversários que lhe vão aparecendo pela frente...

domingo, 14 de Setembro de 2014

Semana 2: Dedicação e Confiança

| Luís Cristóvão




A segunda semana de treinos fica marcada pelas mazelas que uma parte dos atletas sofreram  com as primeiras cargas físicas. Depois das chamadas férias grandes, onde a generalidade deles se dedicou às suas brincadeiras, o choque com a intensidade do treino levou a dores musculares e bolhas nos pés que o tempo se encarregará de os fazer ultrapassar. No entanto, como nestas duas semanas ainda não havia aulas, na sua mente eles continuam de férias. E isso é mais difícil de ultrapassar do que as pequenas dores. Sem os jogos no horizonte, falta aos miúdos a percepção do tipo de ganhos que estes treinos poderão oferecer mais à frente na temporada, simplesmente, é algo que eles ainda não experienciaram. Sendo assim, ganha importância o trabalho mental.

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Grande Prémio TIM de São Marino e da Riviera de Rimi

| Carolina Neto

O grande prémio deste fim-de-semana é um acontecimento cheio de emoções para os amantes das duas rodas. Todos os circuitos têm uma história e o circuito de Misano,  agora conhecido como Circuito Marco Simoncelli, não é excepção.



Os italianos são conhecidos como um dos povos mais apaixonados pelo desporto motorizado, nomeadamente o mundo motogp. E têm razões para isso: nos últimos anos, tanto Valentino Rossi, como o falecido Marco Simoncelli, levaram os italianos à loucura com os seus feitos.

Valentino Rossi é idolatrado por todos os italianos, depois de já ter conquistado sete campeonatos na categoria rainha.

quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

Merci Orenga!

| Ricardo Silva

Não dá para acreditar que a França tenha ganho 50 ressaltos contra 28 dos Espanhóis e Orenga tenha mantido sempre os 3 jogadores de posição 5 a jogar, obrigando um deles a jogar a 4 e a defender os 4 e 5 da França que são muitíssimo mais móveis! Felipe Reyes no banco sem qualquer minuto (já era quase uma regra nas partidas anteriores).



A juntar a isto, e ao nível defensivo, a defesa dos cortes, as ajudas defensivas e as rotações defensivas de toda a equipa espanhola foi fraca!

Outra das questões foi o facto de Orenga nunca ter conseguido tirar partido das características dos seus bases, todos com estilos de jogo diferentes e que podiam aportar à equipa outras mais valias ... também se outros interiores tivessem entrado na rotação, porque jogar sistematicamente só com estes 3 interiores é redutor e retira capacidade física em momentos decisivos! Exemplo, Sergio Rodriguez em campo privilegiar o pick&roll e a intensidade elevada. Calderon, o jogo estático e a organização!

Ricky as defesas pressionantes e ofensivamente o jogo desde bloqueios indirectos. Que aproveitamento ocorreu? Chegar ao ataque e meter a bola dentro para nem se quer se tirar partido disso porque a ocupação espacial e a oposição dos franceses é enorme, além do forçar, forçar, forçar o jogo interior, já para nem falar da fraquíssima % de tiro exterior dos jogadores espanhóis, em dia não de 3 pontos! Previsível a forma de jogar da Espanha, demasiado previsível!

Outro ponto que na minha opinião também é decisivo está relacionado com Rudy Fernandez que há muito tempo produz pouquíssimo para o tempo de jogo que tem e principalmente face a um Llull que apesar de ser um 2 conseguiu quase sempre produzir mais que Rudy, exemplo disso foi o início do terceiro período!

Enfim, quem será o próximo seleccionador espanhol? Será seguramente melhor que este!

Ah e terminou a geração de 80!

CAMPEONATO MULTICARE 1.ª Divisão Feminina

| António Valente Cardoso

Se existem problemas e abandonos precoces no masculino, o que dizer do feminino, onde a maioria das atletas paga para praticar a modalidade de que tanto gostam, esta como todas as colectivas no feminino.



Depois do avassalador domínio madeirense, 16 títulos consecutivos entre 94 e 2009, surgiu o magnífico projecto Gil Eanes, em Lagos, com Donner a dar dois títulos nacionais até ao fim do projecto académico-desportivo, em que assentam quase todas as formações, diga-se, volta a rumar à Madeira até que as aveirenses do Alavarium conseguem o que as formações gaienses, especialmente o Colégio de Gaia, buscam há desde 1991, sem sucesso.

Convém salientar que boa parte das atletas, mais ou menos jovens, são também treinadoras, árbitras, directoras, reúnem/acumulam vários cargos dentro das instituições que representam ou noutras, noutro real exemplo de gosto pela modalidade.

Campeonato Nacional Andebol 1

| António Valente Cardoso

Mais do mesmo. Como em todos os campeonatos desportivos portugueses, há uma diferença abismal entre os três, ditos, grandes e os restantes emblemas. Um peso que se faz sentir no equilíbrio de cada competição, nos resultados finais e na própria competitividade externa, enfraquecida pela falta da mesma internamente.



Inédito hexacampeão, o FC Porto parte à frente dos rivais na busca do sétimo consecutivo, 20.º campeonato de sete da sua história, com Sporting CP e Benfica como principais contendores. O ABC, com um orçamento bem inferior, correrá por fora, assente no seu peso histórico dentro da modalidade e no bom trabalho de Carlos Resende.

A maioria dos plantéis é feita em casa e, numa segunda linha, estarão Águas Santas, Belenenses, ISMAI, Madeira SAD, Sporting Horta, tentarão as restantes vagas no play-off para o título e Europa, situação que Passos Manuel e os promovidos Ginásio Santo Tirso e Xico Andebol também procurarão.

 Este será o segundo ano de campeonato sem Aleksander Donner, o homem que catapultou o andebol português para o primeiro patamar mundial, com o ABC e a selecção, mudando mentalidades, inovando no treino, criando responsabilidade, crença e ambição, um fantástico trabalho que os dirigentes portugueses conseguiram destruir com o cisma que retirou selecção sénior e clubes desse espaço tão complicado de alcançar.

Continua-se a trabalhar bem na formação, onde as selecções portuguesas vão marcando presença nas fases finais, em masculinos e femininos, mas o reflexo sénior desse labor de excelência pouco se observa. A forte crise que abalou as modalidades de pavilhão em Espanha não ajudou em nada a uma liga totalmente periférica, com valores de enorme qualidade mas sem montra para os ‘vender’. A passagem do FC Porto pela fase de grupos da Liga dos Campeões 13/14 valeu a mudança de Tiago Rocha para o Wisla Plock e de Wilson Davyes para o Nantes, optando Gilberto Duarte por continuar no Dragão Caixa, apesar das diversas ofertas, nomeadamente da melhor liga do mundo, a alemã.

Esta situação não sucederá nesta época pois os portistas não se conseguiram apurar para a fase de grupos. Na EHF Cup o Sporting CP entrará na segunda ronda e defronta os eslovacos do Sporta Hlohovec, enquanto o campeão nacional salta para a terceira ronda da competição. Benfica e ABC jogarão a Challenge Cup, com encarnados a encontrar os noruegueses do Fyllingen Bergen e minhotos a aguardar adversário na ronda seguinte após ficarem isentos do sorteio por serem a formação com melhor ranking.

A crise, ausência de uma aposta e desenvolvimento concertados, conjuntos, tem levado ao abandono de muitos andebolistas de maior ou menor qualidade, dada a pouca probabilidade de uma carreira profissional e a natural aposta na área de estudo/trabalho de eleição fora dos pavilhões e, mesmo da geração dourada, esperar-se-ia mais envolvimento dos nomes agora retirados, na defesa do andebol mais do que na defesa de um ou outro clube, discutindo-se formas, alternativas para voltar a trazer a modalidade ao primeiro plano, delinear estratégias para, por exemplo, associar escolas/academias/clubes às ligas mais fortes, alemã, francesa, polaca, dinamarquesa, húngara, para que os jogadores vivenciem as mesmas, conciliando essa prática com os estudos académicos e os programas de mobilidade europeia, mostrando a qualidade do andebolista português aí e bebendo a metodologia de treino, de jogo da Europa Central.

Desaparecido da RTP, cujo serviço público no que toca ao desporto deixa cada vez mais a desejar, o andebol conta com o canal criado pela federação, os canais dos clubes, Porto Canal e Sporting TV em sinal aberto, Benfica TV com assinatura, aguardando-se para perceber se ABolaTv continuará a transmitir também o campeonato e o programa de Edite Dias, andebola, que mereceria mais divulgação e repetição no canal (também ‘rendido’ basicamente a trios na promoção dos seus próprios programas).

quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

Escócia - A Derrota Gloriosa

| Andy McDougall

Foi mais uma derrota gloriosa. Sim, a seleção escocesa é especialista nesta arte de valor questionável. O jogo em Dortmund foi outro exemplo daquela sensação agridoce de ter chegado tão perto a alcançar algo especial com trabalho duro, superando as expectativas, às vezes com um pouco dum sentido de injustiça, e encontrar alguma honra no fracasso, que já não é nada estranho para os adeptos escoceses. O que deixa é uma mistura de orgulho e frustração. Assim é a vida para o Tartan Army


  
A Escócia nunca esperou conseguir algo do jogo contra os campeões do mundo mas quando chegas tão perto até é mais frustrante do que perder por uma margem maior. Além disso, não foi por sorte que os alemães não venceram por mais golos; a Escócia defendeu bem e até mostrou perigo no contra-ataque.

O golo da Escócia, marcado por Ikechi Anya, extremo do Watford, e bem assistido por Steven Fletcher do Sunderland, provou que a Escócia é capaz de marcar contra equipas melhores com a bola rolando, mas já sabíamos isso. Mais difícil é deixar o campo com um ponto ou três como prémio pelos esforços dentro das quatro linhas.

O jogo do domingo fez lembrar da derrota por 3-2 em Wembley há um ano contra o rival mais antigo, a Inglaterra. A Escócia jogou bem e por duas vezes teve a vantagem, voltando para o norte orgulhoso mas com o sabor familiar de “quase, quase…”

domingo, 7 de Setembro de 2014

Semana 1: Vida de treinador

| Luís Cristóvão

Durante a presente temporada vou tentar, a cada semana, fazer uma reflexão sobre o trabalho de treinador numa equipa de basquetebol. Os comentários, as ideias e as sugestões são desejadas, para que se alimente uma saudável discussão sobre os vários caminhos que podemos seguir. 




O início da temporada é uma espécie de regresso às aulas para os rapazes de uma equipa de Sub-14. Os primeiros dias vão servindo para trocar as experiências de verão e recuperar o convívio entre amigos a fazer algo que adoram fazer: jogar basquetebol. Sendo este um grupo que já estava formado da temporada anterior, as opções de treino visam, sobretudo, reativar os princípios daquilo que pretendemos para a nossa equipa. A generalidade dos exercícios desta primeira semana são já conhecidos dos jogadores que percebem, intuitivamente, o transporte dessa realidade para jogo.