sábado, 28 de Junho de 2014

Encontro de antigos jogadores da Física

Realizou-se no sábado, 28 de junho, um encontro de antigos jogadores da Física de Torres Vedras, que reuniu sessenta e cinco atletas com mais de 50 anos de idade. O convívio decorreu entre o pavilhão da associação de Torres Vedras e um restaurante local, onde foi apresentado um vídeo com elementos da história do basquetebol naquela coletividade, desde a sua fundação, em 1925, até ao início dos anos 80.



Neste encontro marcaram presença jogadores que alcançaram a vitória no Campeonato Nacional da 3ª Divisão, no início dos anos 60, bem como da equipa que foi campeã invicta na 2ª Divisão Regional, em 71/72. Para além disso, estiveram presentes muitos jogadores de equipas masculinas e femininas que alcançaram bons resultados ao nível dos escalões de formação e representaram a equipa durante longos períodos.

O jogador mais antigo entre os presentes, Vasco Carvalho, foi elogiado por vários dos presentes, como Vítor Agostinho, um antigo jogador e dirigente que chamou a atenção para o momento difícil da associação, incentivando os presentes a colaborar no reerguer da estrutura do basquetebol. Luís Seco, um dos elementos da organização deste encontro, sublinhou a importância da Física na formação de homens e mulheres e os fortes laços de amizade que foram criados por todos os que passaram pelas equipas da associação.



Os vários antigos atletas presentes sublinharam a importância de pessoas como Fausto Rodrigues, que durante décadas foi técnico e dirigente da Física, para a manutenção do interesse no basquetebol em Torres Vedras. Entre os que não puderam marcar presença, destacam-se as mensagens deixadas por Olímpio Coelho e António Guimarães, nomes de importância reconhecida no basquetebol nacional que também fazem parte da história da coletividade de Torres Vedras.

terça-feira, 11 de Fevereiro de 2014

Benfica mais primeiro

|Luís F. Cristóvão

A conjugação de resultados da 14ª jornada da LPB deixou o Benfica como líder ainda mais isolado da competição, não restando agora qualquer dúvida de que os encarnados terminarão na frente da tabela no final da fase regular. Por outro lado, todo o resto da classificação ficou ainda mais incerto.

Carlos Lisboa, técnico do SL Benfica

O Vitória de Guimarães visitou o Pavilhão da Luz para, uma vez mais, criar bastantes dificuldades ao Benfica, que acabou por vencer por 70-61. Jobey Thomas, com 19 pontos marcados, acabou por ser, uma vez mais, a figura dos encarnados, que contaram ainda com os 13 pontos e os sete ressaltos de Seth Doliboa. Do lado dos vimaranenses, Paulo Cunha esteve muito forte na conquista de ressaltos, enquanto Pedro Pinto, com 14 pontos, foi o melhor marcador da equipa.

A surpresa da jornada aconteceu na Madeira, onde o CAB perdeu por 59-67 com o DOSAPAC/ Maia Basket. Sem poder contar com Ricky Franklin, por motivos de saúde, ao madeirenses pagaram muito cara a ausência de um base com tempo de jogo para substituir o norte-americano. José Correia, Jorge Freitas e José Bettencourt foram utilizados em rotação, sem que nenhum deles conseguisse sobressair. Nos maiatos, o duplo-duplo de Michel Diouf, com 11 pontos e 14 ressaltos foi a melhor exibição, numa equipa onde quatro atletas terminaram com 10 ou mais pontos. Jobi Wall, com 18 pontos, acabou como o melhor marcador do CAB.

O Barcelos Hotel Terço e o Algés estão agora no grupo dos terceiros classificados. Os minhotos bateram o Oliveirense por 84-67, com Eduardo Coelho a voltar a estar em destaque, com 20 pontos e 4/6 a partir da linha de três pontos. Aaoron Fuller, com 23 pontos e 10 ressaltos, deixou marca pelo lado dos homens de Oliveira de Azeméis. O Algés recebeu o Lusitânia/Expert e venceu por 82-76. António Pires, com 28 pontos, foi o homem do jogo, enquanto Marcel Momplaisir, com 17 pontos e 11 ressaltos, esteve em destaque entre os açorianos.

O Galitos – Tley estreou novo técnico, Carlos Caetano, escapando ao grupo dos últimos, depois de vencer a Ovarense / Dolce Vita por 66-60. Quinton Doggett marcou 21 pontos e ganhou 11 ressaltos, enquanto Miguel Miranda alcançou oito pontos e oito ressaltos, demarcando-se como os jogadores mais produtivos de ambos os conjuntos.

quarta-feira, 29 de Janeiro de 2014

Ferramentas para treinar Basquetebol

|Diogo Almeida Santos*

Foi este o tema do Clinic organizado pelo Baloncesto Tierra Burgos em colaboração com a Asociación Castellano Leonesa de Entrenadores de Baloncesto e realizado nos dias 27, 28 e 29 de Dezembro de 2013.

O convite para participar neste Clinic surgiu na sequência do trabalho levado a cabo nos últimos anos no Campus Internacional Baloncesto Baskonia (CIBB). Chema Campo Rodilles, Coordenador Técnico e Treinador do Baloncesto Tierra Burgos, é um dos treinadores que habitualmente está presente no CIBB, e sendo ele um dos responsáveis pelo planeamento técnico do Campus, foi-me lançado o desafio para estar presente em Burgos no final do ano para mais um momento de partilha e, principalmente, de aquisição de novos conhecimentos.
Tive o prazer de colaborar com Chema Campo Rodilles no planeamento deste Clinic, ao qual agradeço o convite e a forma como todos os participantes foram recebidos e acarinhados pela organização. Desde o primeiro dia a ideia base do Clinic esteve focada nos processos de ensino/aprendizagem em treino. Dentro desta temática, e para a componente mais prática do Clinic, foram convidados vários treinadores, como já referido em artigo anterior.



A mim, e no seguimento do trabalho de técnica individual que fui desenvolvendo no CIBB, foi-me pedido que falasse do “Treino do 1x1 e do passe com actividade física”. Tendo como mote a ideia de encontrar ferramentas para melhorar o treino, iniciei a minha intervenção pelo treino do passe, que na sua componente mais analítica está habitualmente ligado a exercícios que trabalham fundamentalmente a resistência ou a velocidade. Ora sabendo que uma das principais lacunas que encontramos nos actuais jovens jogadores é a falta de coordenação, preferi interligar o trabalho de passe com esta capacidade física específica. Para tal recorri ao uso da escada de coordenação, realizando diferentes tipos de passe com variados tipos de trabalho de pés.

Numa segunda fase pareceu-me pertinente abordar o tema do treino do 1x1 focando o trabalho na importância de fazer os nossos jogadores pensar e, consequentemente, ler o jogo. A minha proposta passou por uma evolução em que comecei por colocar os jogadores numa situação em que tinham que analisar uma informação verbal para então poderem tomar uma decisão. Posteriormente essa mesma informação passou a ser visual, o que os obrigou a pensar e a executar com um maior grau dificuldade. O passo seguinte foi transformar a informação que era transmitida em mais uma dificuldade de execução técnica, neste caso com recurso a bolas de ténis, pois acreditamos que a bola de ténis é um óptimo utensílio para trabalhar a coordenação e a reacção no jogador de basquetebol.

Dentro desta mesma estrutura foram sendo colocados desafios aos jogadores, fazendo com que utilizassem duas bolas de basquetebol em drible, em que uma seria para passar a um colega que realizava uma situação de 1x1, e a outra seria para finalizar em 1x0, ou em situação de 1x1. O foco esteve sempre em fazer os jogadores pensar, retirando-os da sua zona de conforto.
Para esta intervenção, bem como para as restantes, contámos com a preciosa colaboração das jogadoras sub-14 e sub-16 femininas do Baloncesto Tierra Burgos.



Neste Clinic todos participámos igualmente em dois momentos menos práticos, mas onde o debate marcou forte presença.

Numa primeira mesa redonda todos os participantes foram colocados perante diferentes propostas de organização da “cantera” e do trabalho em formação. Da visão do basquetebol “Jugoslavo” transmitida pelo treinador Mladen Jegdic, à diferente realidade do basquetebol português, passando pela formação no clube da Liga ACB, Fuenlabrada, a partilha de ideias foi enorme.

No último dia o tema principal foi a preparação do treino, quer em função do resultado do jogo do fim-de-semana, quer em função do momento da temporada, onde as visões partilhadas por Mariano Arasa e Ricardo Silva foram enriquecedoras.

Em jeito de resumo, e recorrendo a uma expressão tipicamente espanhola, “encantado” por ter estado 3 dias em Burgos a falar desta modalidade que tanto gostamos… o Basquetebol.




* Diogo Almeida Santos é Treinador de Sub-12 e Sub-14 Masculinos no Clube Hiper-Activo da Malveira.


segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014

Clinic: Step Back/ Passo atrás para tiro

|Ricardo Silva

No último fim-de-semana de 2013, tivemos a honra e o prazer de participar como preletores no Clinic do clube Baloncesto Tierra Burgos (BTB) que em colaboração com a Asociación Castellano Leonesa de Entrenadores de Baloncesto levou a cabo esta iniciativa na cidade espanhola de Burgos. O convite para a participação neste clinic tinha surgido alguns meses antes, após a nossa participação no Campus Internacional Laboral Kutxa – Baskonia. No decorrer deste Campus, e mais concretamente numa das semanas do mesmo, a nossa intervenção como treinador esteve centrada num tema relacionado com “Tiro Tático” que englobava diversos tipos de lançamentos - finalizações desde zonas interiores e exteriores a partir de prévios movimentos táticos. Englobado nesse trabalho esteve o desenvolvimento do lançamento em Step Back, quer desde situações próximas do cesto, quer desde zonas mais afastadas. Como este tipo de trabalho foi do agrado de um dos habituais treinadores do campus, Chema Campo Rodiles, Coordenador do clube Baloncesto Tierra Burgos, surgiu o convite de participar no respetivo Clinic do seu clube que se realizaria no final do ano de 2013.


O tema principal do Clinic foi “Herramientas para entrenar en baloncesto” e teve os seguintes preletores e temas específicos:

- Mladen Jegdic, Coordenador do clube KK Vardar Apave da Macedónia
“HERRAMIENTAS BASICAS PARA JUGAR AL BALONCESTO”

- Diogo Almeida Santos, Treinador de Sub 12 e Sub14 do Clube Hiper-Activo da Malveira
“ENTRENAMIENTO DEL 1X1 Y DEL PASE CON ACTIVIDAD FISICA”

- Mariano Arasa, Treinador de Sub 18 do Fuenlabrada
“DESARROLLO DE LA TECNICA INDIVIDUAL EXTERIOR”

- Roberto Gonzalez, Ex Treinador do C.B. Valladolid Liga ACB e Javier Hernandez Bello, Preparador Físico do C.B. Valladolid Liga ACB
“COMO SE PLANIFICA Y SE COMPLEMENTA EL TRABAJO DEL ENTRENADOR Y EL PREPARADOR FISICO EN EL DESARROLLO DE LAS SESIONES DE ENTRENAMIENTO”

E o nosso:
- Ricardo Filipe Pires Silva, Treinador de Sub 12 e Sub 14 da Física de Torres Vedras
“DESARROLLO DE LA TECNICA INDIVIDUAL AL POSTE BAJO Y PASO ATRÁS PARA TIRO”


 A nossa intervenção centrou-se inicialmente no ensino do movimento de “step back / passo atrás para tiro” com a progressão sem e com bola, a partir de arranque cruzado e direto e com paragens a 2 tempos e 1 tempo.

Posteriormente, a progressão envolveu o mesmo processo com bola em que no final as atletas tinham que realizar lançamento, tal como está indicado no documento auxiliar. Na continuidade do trabalho desenvolvido, as atletas realizaram todo o processo de arranque em drible (cruzado e direto) e lançamento após step back (paragem a 2 tempos e 1 tempo) utilizando apenas um único drible.

O passo seguinte esteve relacionado com a realização de uma prévia mudança de direção em drible, posterior execução de step back e lançamento. Neste sentido, foram abordadas as mudanças de direção em drible pela frente, por debaixo das pernas no sentido interior – exterior e no sentido exterior – interior.

Após a apresentação das diversas situações técnicas de forma analítica, prosseguimos a nossa palestra com a inclusão destes movimentos e dos movimentos de técnica individual na posição de poste baixo em exercícios de “tiro tático”.

Ao nível dos movimentos técnicos realizados na posição de poste baixo, estes estiveram relacionados com dois tipos de enquadramentos, ou seja, a partir de execuções de movimentos de frente para o cesto e de costas, e associados também a diversos tipos de finalizações, incluindo em step back.

Além desta palestra, realizada num dos três dias do Clinic, estivemos presentes juntamento com o Diogo Almeida Santos e o Mariano Arasa em duas mesas redondas com diferentes temas. Na primeira, a discussão esteve relacionada com temas interligados com “DISTINTOS TIPOS DE CANTERA Y TRABAJO DE FORMACIÓN”, enquanto na segunda os temas base estiveram centrados com o “DESARROLLO DE ENTRENAMIENTOS EN FUNCION DE LOS RESULTADOS DEL PARTIDO JUGADO EL FIN DE SEMANA - ENTRENAMIENTOS EN FUNCION DEL MOMENTO DE COMPETICION”.

Em ambas as mesas redondas, a discussão foi bastante interessante, pertinente e com intervenção de muitos dos treinadores participantes, procurando saber a nossa opinião, transmitir as suas opiniões e questionar. De facto foram dois momentos de uma enorme troca de experiências e de uma salutar discussão sobre aquilo que mais gostamos, basquetebol!


Consulte o documento sobre o clinic neste link:
https://www.dropbox.com/s/ovuj7o6pbra4bd6/Ricardo%20Silva%20-%20Clinic%20BTB%20-%20Burgos%202013.pdf

quarta-feira, 22 de Janeiro de 2014

CAB fica a um cesto do segundo lugar

O grande jogo da 12ª jornada da LPB contou com a vitória do CAB Madeira por 80-76 sobre o Vitória de Guimarães, ficando, no entanto, a um ponto de ultrapassar os vimaranenses na tabela da prova, onde seguem agora com o mesmo número de vitórias e derrotas. A vantagem de cinco pontos acumulada pelo Vitória no jogo da primeira volta foi decisiva.

José Silva (Foto de Cláudio Gomes)


Num jogo marcado por bastante equilíbrio, com as duas equipas a cumprirem com as expetativas e a mostrarem-se competitivas, o CAB Madeira foi quem menos erros cometeu e isso valeu-lhe a vitória. Aaron Anderson, em termos individuais, não deixou os seus créditos de MVP por mãos alheias, somando 21 pontos e 15 ressaltos nesta partida. Do lado dos minhotos, José Silva, com 25 pontos, e João Guerreiro, com 15, foram os dois melhores marcadores.

Outro jogo interessante, na luta pelo quarto lugar da prova, foi o que se realizou em Barcelos, com a Sampaense a vencer por 71-65 a equipa da casa. Joel Almeida, com 24 pontos, esteve em destaque neste encontro, onde os 22 turnovers do Barcelos Hotel Terço representaram uma infeliz tarde para os minhotos. Rui Coelho, uma vez mais muito bem a partir da linha dos 3 pontos, voltou a destacar-se como melhor marcador do Barcelos, com 18 pontos.

O Algés voltou a estar em posição de destaque, batendo a Ovarense Dolce Vita por 63-53. A equipa vareira foi praticamente inexistente na luta das tabelas, somando metade dos ressaltos do conjunto da casa, e voltou a desiludir. João Santos, com um duplo-duplo (10 pontos, 14 ressaltos) foi o jogador em destaque na equipa da casa, enquanto José Barbosa, com 12 pontos, foi o jogador mais valioso dos vareiros.

Nos restantes jogos, o Benfica continuou a confirmar o favoritismo dado pela casa de apostas Dhoze, batendo o Galitos Tley por 87-71, com Seth Doliboa a somar um duplo-duplo (18 pontos, 11 ressaltos), exatamente a mesma soma alcançada por Miguel Minhava, do conjunto do Barreiro. A UD Oliveirense não permitiu veleidades ao Dosapac/ Maia Basket, vencendo por 81-65, com João Abreu a ser o homem do jogo, com 20 pontos e 9 assistências.

segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014

English Language Basketball Camp

“Travel to Ireland, learn English, play basketball”


The camp is run over a two-week period in July/August 2014, with campers having the option of attending one or two weeks.

 
Internacional English Language Basketball Camp PROMO from ChrisFlavour on Vimeo.

quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014

Final da primeira volta na LPB – Balanço

|Luís Cristóvão

Chegados ao final da primeira volta na Liga Portuguesa de Basquetebol, é o momento certo para fazer um pequeno balanço da competição.

A primeira nota de destaque prende-se com o nivelamento das equipas na tabela classificativa. O SL Benfica é um líder isolado, com 9 vitórias em 10 encontros, seguindo-se do Vitória com 7 vitórias. Depois, com uma diferença de 2 vitórias, estão oito das equipas participantes. 6 para CAB Madeira e Barcelos, 5 para Sampaense e 4 para Galitos, Algés, Lusitânia, Oliveirense e Ovarense. A única equipa a excluir-se desta linha é o Maia Basket, que soma apenas duas vitórias e que acabou por trocar de treinador, dispensando o espanhol Vicente Gonzalez, substituído por Manuel Romão.

Aaron Anderson, CAB Madeira, MVP da primeira volta. (Foto Cláudio Gomes)
Esse equilíbrio nota-se, também, no número de jogadores utilizados, com a Ovarense (9 atletas), Lusitânia (10 atletas) e Maia Basket (11 atletas) a serem os únicos a saírem da norma. De resto, CAB Madeira, Barcelos e Galitos utilizaram 12 atletas, o Sampeanse utilizou 13 e o Benfica, Vitória de Guimarães, Algés e Oliveirense utilizaram 14.

O Benfica tem o melhor ataque e a melhor defesa da prova, apresentando um diferencial de +23,4 como média. Ainda com médias positivas estão o Vitória de Guimarães (+5,9), CAB Madeira (+1), Barcelos (+2) e Sampaense (+0,7). Do lado do balanço negativo, o Galitos apresenta a pior média, com -9,5, seguido da Oliveirense (-8,5) e o Maia Basket (-8).



A superioridade da equipa encarnada faz-se sentir na maioria das tabelas estatísticas disponibilizadas pelo site da FPB.  Os encarnados apresentam a melhor percentagem de aproveitamento de Lançamentos de 3 pontos e de Lances Livres, sendo apenas superados nos Lançamentos de 2 pontos, onde a Ovarense é residualmente melhor. Também no capítulo dos Ressaltos o Benfica é dominador, sobretudo na zona defensiva, com a Oliveirense a cotar-se como a equipa mais forte no Ressalto Ofensivo. Nota para o Sampaense Basket, equipa que soma mais Roubos de Bola, enquanto o Benfica volta a ser a equipa a apresentar o melhor índice Assistência por Turnover, com uma média de 1,6 por encontro. Neste capítulo, o CAB Madeira, com um índice de 1,2, também segue numa linha bastante positiva.

Em relação às expetativas para a segunda volta, algumas curiosidades que deverão ser seguidas de perto. Por um lado, o CAB Madeira parece estar bastante mais estabilizado no que toca às suas exibições e poderá dar luta ao Vitória de Guimarães na perseguição ao segundo lugar da tabela. Importante, também, avaliar a subida de forma de Nuno Oliveira, jogador chave do Barcelos em temporadas anteriores e que, devido a lesão, só recentemente voltou a ser utilizado. A pequena diferença entre pontos marcados e sofridos da Ovarense também poderá ser uma boa notícia para os vareiros, que depois de uma primeira volta longe daquilo que seriam as suas expetativas, terá possibilidades reais de assegurar uma posição mais condigna com o seu historial. Por outro lado, a fragilidade defensiva do Sampaense e a fragilidade ofensiva do Galitos poderão acabar por empurra-los para fora dos primeiros lugares.

Todas estas tendências poderão ser seguidas e comprovadas, também, através das odds semanais da Dhoze, que apresenta propostas para todos os encontros da LPB.